jun 04, 2019 AUTHOR: Michela França
Gestão de design e o Artesanato de Porto Belo

O artesanato expressa as características pessoais, sociais, históricas e culturais de quem o produz; derivando assim num objeto com valor simbólico.

No Brasil, essa atividade é realizada por cerca de oito milhões de pessoas, o que demonstra a sua contribuição econômica e social. Além disso, sabe-se que na atividade do turismo, há uma crescente valorização da cultura local, com demanda de produtos e serviços que traduzam a identidade de uma região.

No entanto, em uma palestra de sensibilização feita aos artesãos, por meio de vídeo elicitação de dados e pesquisa não estruturada, constatou-se problemas nos três pilares da sustentabilidade, sendo eles:

  1. Pilar econômico: a crise econômica enfrentada pelo país aumentou a concorrência dos produtos artesanais com produtos de menor preço, feitos muitas vezes com materiais sintéticos de baixa qualidade.
  2. Pilar ambiental: o aumento de preço e a escassez de matérias-primas naturais; como sementes, couro e penas.
  3. Pilar sócio-cultural: a alteração dos produtos artesanais em objetos com identidade de massa, adequados a mudança da identidade cultural do indivíduo contemporâneo; sempre em busca da adequação ao modo de vida moderno.

Nesse sentido, fez-se necessário considerarmos na atividade do artesanato, não apenas os aspectos econômicos, mas também os aspectos ambientais e sócio-culturais dos produtos, tendo no design, o fator de diferenciação pela valorização da cultura local.

O Projeto Artesanato de Porto Belo

Em parceria com o Sebrae/SC, a Secretaria de Turismo de Porto Belo/SC iniciou em agosto de 2018, o projeto que teve como objetivo, a valorização do artesanato de Porto Belo, tendo o design como fator de diferenciação.

O projeto foi desenvolvido pela designer de produtos Michela França e constituído por um grupo de 12 artesãos, com lideranças de duas associações locais. A escolha dos participantes no projeto, teve como critério, ser integrante de alguma associação de artesão do município de Porto Belo, ter registro no Programa Nacional do Artesão ou MEI.

Palestra de sensibilização aos artesãos
Palestra de sensibilização. Fonte: autoria própria (2018).

A prática do Design e o Artesanato

Para o sucesso do projeto, foram planejadas atividades que capacitassem o grupo para a melhoria dos produtos e processos e que conduzissem os artesãos nos percursos do design.

De acordo com Michela França, a designer que idealizou o projeto,

“O design nasceu para resolver problemas e pode diferenciar produtos e serviços através de sua gestão e isso acontece quando pensamos em todo o ciclo de vida do produto, começando pela sua estratégia.”

As atividades do projeto incluíram palestras, contação de lendas, capacitação técnica de uso de materiais, oficinas de criatividade usando técnicas de design; visita técnica em outros grupos de artesanato e a participação em uma rodada de negócios para divulgação e acesso ao mercado.

Grupo de artesãos realizando oficina de criatividade com método de design
Oficina de criatividade com método de design. Fonte: autoria própria (2018).

O design para valorização do produto artesanal

Como resultado das atividades, foram criados os ícones da região e um selo para identificação dos produtos artesanais de Porto Belo. A inspiração para a criação do selo veio dos elementos marinhos, da pesca artesanal com as tramas dos cestos, as redes de pesca, o anzol e as cordas, a cor típica do azulejo português, o mar, e as morros de Porto Belo.

A criação do selo teve como objetivo a valorização dos produtos a partir da demonstração do seu local de origem e modo artesanal de produção, aumentando assim a percepção de valor do consumidor.

Outro aspecto pensado foi o cuidado na apresentação e embalagem dos produtos, com o desenvolvimento de uma padronagem e uma tag, onde foram feitas propostas de embalagens usando o papel craft.

Todos os materiais desenvolvidos no projeto, tanto o selo quanto a tag, as estampas e embalagens, foram pensados para facilitar a aplicação e reduzir os custos na produção.

Já para a criação do ícones, a escolha dos elementos que carregam a essência de Porto foi feita pelos próprios artesãos, que definiram a aroeira, o Píer, a Igreja Bom Jesus dos Aflitos, o pão-com-deus e o peixe, como elementos representativos dos costumes, das atividades, da fauna e da flora de Porto Belo.

O reconhecimento

O projeto Artesanato de Porto Belo primou pelo fator sustentabilidade no projeto, desde a escolha das atividades à concepção dos materiais gráficos desenvolvidos. Fato esse que o levou a premiação como a melhor proposição projetual da área de design no Prêmio Sustentabilidade ENSUS 2019; ficando em terceira colocação em concorrência com projetos de arquitetura, design e engenharia de todo o país.

A 7ª edição do ENSUS (Encontro de Sustentabilidade em Projeto) aconteceu de 08 a 10 de Maio de 2019, na Universidade Federal de Santa Catarina. O evento reuniu professores, técnicos, alunos e comunidade em busca da sustentabilidade integrada aos projetos e ao desenvolvimento de novos produtos. A programação envolveu renomados palestrantes, mesas-redondas, apresentação de artigos, apresentações de pôsteres e a premiação.

Os bons resultados podem ser atribuídos a iniciativas como da Secretaria de Turismo em buscar o SEBRAE para apoiar os pequenos e microempresários como também da relação entre o Design e Artesanato, surgem produtos mais sustentáveis e com maior valor cultural.

Comments (0)

LEAVE A REPLY

Your email address will not be published. Required fields are marked *